As análises de fertilizantes e corretivos têm o objetivo de monitorar a qualidade dos insumos adquiridos, auxiliando na determinação das doses a serem aplicadas. Os principais tipos de análises são:

1 - Corretivos: Calcário (CaO, MgO, PRNT, Umidade e Granulometria); Gesso Agrícola (Enxofre, CaO, Umidade); Fosfatos Parcialmente Solúveis (Fósforo Total, Solúvel em CNA+ H2O ou em H2O)

2- Fertilizantes Orgânicos (Torta de Filtro, Vinhaça, Compostos, etc.): Macronutrientes (Nitrogênio, Fósforo, Potássio, Cálcio, Magnésio, Enxofre) e Micronutrientes (Boro, Cobre, Ferro, Manganês, Molibdênio, Zinco)

3- Fertilizantes Minerais: Nitrogênio (Total, Amoniacal e Nítrico), Fósforo (Total, Solúvel em HCi, CNA+H O ou em H2O), Potássio, Cálcio, Magnésio, Enxofre, Cobre, Ferro, Manganês, Molibdênio e Zinco

 

Os fertilizantes e corretivos são utilizados em grandes quantidades na agricultura brasileira e cada vez mais novos produtos e marcas aparecem no mercado, oferecendo soluções para uma melhor nutrição para cada cultura.

Desta forma, é importante fazer uma análise dos fertilizantes adquiridos, não só para realmente saber se o teor dos nutrientes está de acordo com as garantias, mas também para averiguar a qualidade da matéria prima e a fabricação dos mesmos. Contudo, para que esta checagem seja correta, é preciso seguir critérios de amostragem dos fertilizantes, assim como para a metodologia de análise, sendo que ambos no Brasil são normatizados pelo MAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que os classifica da seguinte forma:

Fertilizantes Minerais destinados à aplicação via solo - Ex: Fórmulas NPK, MAP, Fosfatos, Ureia, KCl, etc.

Fertilizantes Minerais destinados à aplicação via foliar, hidroponia e fertirrigação - Ex: Fórmulas com macro e micronutrientes minerais solúveis em água.

Fertilizantes Orgânicos e Organominerais destinados à aplicação via solo - Ex: Esterco de galinha, torta de filtro, vinhaça, etc.

Fertilizantes Orgânicos e Organominerais destinados à aplicação via foliar, hidroponia e fertirrigação - Ex: Fórmulas com macro e micronutrientes minerais e orgânicos solúveis em água.

A amostragem para análise de fertilizantes deve sempre ser realizada utilizando-se os equipamentos oficiais, como a sonda na figura abaixo.

 

Sonda para amostragem de fertilizantes sólidos

 

Para amostragem em embalagens de 10 até 60 kg proceder da seguinte forma:

1 - Verificar a quantidade de embalagens que compõem o lote.

2 -  A quantidade de embalagens a amostrar deve seguir a tabela abaixo.

3 - Escolher e separar a quantidade de sacos a amostrar aleatoriamente, para que a amostra seja representativa do lote, aproveitando para misturar o conteúdo.

4 - Inserir completamente a sonda oficial fechada na diagonal, abrindo-a dentro do saco para que o produto caia pelos furos até enchê-la e, em seguida, fechá-la e retirá-la.

  1. 1 - As porções de amostra coletadas deverão ser colocadas em recipiente limpo e seco. Fechar o recipiente e anotar todos os dados constantes na etiqueta do produto, o nome do cliente e a

data da amostragem, para posterior encaminhamento ao laboratório.


Como inserir a sonda para amostragem de fertilizantes em embalagens de 10 até 60 kg

Para amostragem de produto ensacado em Big Bag, proceder da seguinte forma:

  1.  1 - Verificar a quantidade de embalagens que compõem o lote.
  2. 2 - A quantidade de embalagens a amostrar deve seguir a tabela abaixo.
  3. 3 - Escolher a quantidade de sacos a amostrar aleatoriamente, para que a amostra seja representativa do lote.
  4. 4 - Inserir completamente a sonda oficial fechada e verticalmente, em três pontos diferentes de cada embalagem, abrindo-se a sonda dentro do saco para que o produto caia pelos furos até enchê-las e, em seguida, fechá-la e retirá-la.
  5. 5 - As porções de amostra coletadas deverão ser colocadas em recipiente limpo e seco. Fechar o recipiente e anotar todos os dados constantes na etiqueta do produto, o nome do cliente e a data da amostragem, para posterior encaminhamento ao laboratório.

 

Como inserir a sonda para amostragem de fertilizantes em big bag

Também de extrema importância é a qualidade da amostragem com relação a corretivos, tanto que a legislação de fertilizantes normatizou este assunto. Na amostragem encontram-se as maiores fontes de variações nos resultados analíticos finais, sendo então fundamental realizar o processo detalhadamente. Vale lembrar que um lote de 200 t de corretivos será reduzido a 150 g através da amostragem, onde 5 g definirão o destino quanto à qualidade deste lote.

  • Calcário - Os calcários são os materiais corretivos da acidez mais empregados no Brasil. Sua análise visa obter informações sobre o poder neutralizante (PN), reatividade (RE) e os teores de cálcio e magnésio. As duas primeiras características são necessárias para estabelecer o poder relativo de neutralização total (PRNT). O PRNT é empregado para corrigir o valor da necessidade de calagem em termos de CaCO3 para quantidade do corretivo disponível. Os teores de Ca e Mg também são importantes, porque em muitas situações o calcário é empregado como fonte destes nutrientes.

 

  • Gesso – Gesso agrícola é o nome pelo qual é conhecido e comercializado o sulfato de cálcio (CaSO4.2H2O), obtido na fabricação do Ácido Fosfórico, usado para produção de Superfosfato Triplo, MAP e DAP. É muito útil para a prática agrícola como fonte de cálcio e enxofre, como condicionador de subsuperfície (apresenta alta solubilidade) e para correção de solos saturados com sódio ou potássio. O gesso também diminui os teores de alumínio tóxico, possibilitando um maior crescimento radicular. Com isso, as plantas têm condições de suportar melhor secas e veranicos e aumentar a absorção de nutrientes em camadas de solo mais profundas.
navigation

Voltar ao Topo